terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Quase choveu...


Talvez a chuva finalmente venha hoje visitar minha casa e essa possibilidade é o que me faz querer te escrever. E eu não queria escrever qualquer bobagem, qualquer palavra desconexa e sem sentido, mas sim sobre o que eu aprendi nos últimos dias (mesmo que o que tenha aprendido seja muito pouco, complicado, confuso ou seja qual for o adjetivo que insiste em querer me dar). Hoje eu aprendi que a chuva só cai quando a gente desiste de esperar. Naquele livro, ela dizia que vez ou outra o céu chove para a gente não chorar... acontece que, hoje, o dia todo quase choveu, mas não caiu uma gota sequer. Seria um sinal para que eu pudesse chorar sem ressentimentos? Quase choveu. E esse “quase” se fez tão presente em fevereiro: quase um fim, quase um começo, quase uma distância... E vou te dizer a verdade mais profunda que (quase) aprendi: antes, muitas palavras morriam em mim antes de serem ditas, eu vivi de palavras para dizer ou por dizer, mas agora o teu sentimento me acolhe e todos os dias eu quero então te contar da saudade que você não sabe que senti e dos suspiros que andei dando por aí. Eu me lembro da tua felicidade ao falar da menininha mais linda do mundo e de como você é sincero quanto ao sabor dos legumes. Eu me lembro do quanto me sinto quentinha e aconchegada perto de ti quando o ar condicionado está ligado e me lembro de ti frouxo de rir da minha bobeira. Quando lembro dessas nossas coisas bobas, dou risada baixinho e meus olhos ficam carregados de lágrimas. Hoje, eu queria muito escrever pra te dizer que  não choveu, pois as gotas derramadas foram as minhas.

0 Comentários:

Postar um comentário

« »