sábado, 14 de dezembro de 2013

_E se acontecer?


_E se acontecer?
Tenha dó, menino...
E daí?
E se acontecer de eu
perder o ar,
perder a hora,
a casa,
se, pelo crime,
ninguém pagou?
Faça o favor,
e trate de levar tudo embora,
para que essas coisas 
não fiquem me lembrando
de tudo o que sinto agora.
E se eu te deparar,
se acontecer de o mundo acabar,
e o céu não nos aceitar?
E daí, amor?
Se hoje já não me entendo
e já não me perdoo,
por ser como sou.

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Sobre quando a gente se vê em outro alguém...


Não sei se estou pronta para (re)conhecer-te, nem para prender teu cabelo e muito menos para me engasgar com teus cigarros. Isso tudo porque, de ti, não tive mais que palavras ditas em todas essas folhas do calendário. Eu não sou do tipo que pede demais, só tenho medo de encarar novamente o teu pior lado... por isso eu lhe ensinaria aquilo que aprendi: tocar a vida sem agredir, saber esperar pela chuva de três dias (que você me prometeu) e a deixar de usar aquelas roupas que já não posso, só isso. Quando eu quis estar contigo, era porque queria estar comigo. É que, quando você me estende palavras (a única coisa que tive de ti), eu sou quem eu sempre fui, mas que nunca deixaram que eu fosse.


sábado, 31 de agosto de 2013

Caleidoscópio

Quanto tempo essa sua bolha demora a estourar? Estou esperando há tanto tempo e nada. Cansei de te ver de fora.

Cansei de te ver sozinho.

sábado, 17 de agosto de 2013

Sobre as distâncias que moram em mim...


Há tanto papel na tua casa
porque não me escreves?
Esse mundo não nos merece...
Tenho raiva enterrada
dos panos dos teus sapatos
que sujou a casa que limpei.
Pensei em pular do prédio
pensei em jogar o gato,
pensei em borrar o retrato,
pensei e ainda penso.
Eu quis fazer uma reza
acender o incenso
o cigarro
a luz do carro.
Em vão!
A doença mental é quase um crime.
Às vezes penso que o terapeuta
já morreu no século passado.
Não sei o que acontece
segundos após aquela cena
no ano que suplico para Deus apagar.
Preciso descansar...
Comprei uma trena,
pois a régua era muito pequena
para medir os centímetros restantes
do tempo que falta
para meu inferno astral passar.

sábado, 27 de julho de 2013

Um Novo Segredo


Eu já me acostumei com a ideia de que sempre serei labirinto, mas hoje estou cheia de motivos para não cultivar mágoas na minha casa. E mesmo que façam por onde, improvisarei mil tentativas de carregar amor nas mãos, nos bolsos e onde mais couber, pois assim não perco tempo procurando-o quando algo ruim se aproximar de mim...


sábado, 25 de maio de 2013

Retorno


Um beco sem saída
transforma-se num ponto de partida
quando a gente se vira para trás.

quarta-feira, 1 de maio de 2013

Feito-Coisa-Feita


Tenho assombro de contar-me segredos internos e aí passo noites inteirinhas com a luz acesa, convicta de que alguma tragédia pode vir a calhar em qualquer instante. E isso soa até redundante (e um tanto quanto egoísta), pois passo muito tempo em vão tentando racionalizar maus presságios e tudo aquilo que nem tenho a audácia de pensar. Quando amanhece, penso que não é possível que as pessoas sejam tão fortes quanto parecem ser. Não é possível ou não é justo comigo, pois tento muitas horas durante o dia e não sou. “Qualquer existência de qualquer pessoa é frágil, um descuido e acaba” - é a única explicação (ou consolo) plausível que, depois de dias, tentei me convencer: sou assim porque é assim que tenho que ser.

domingo, 7 de abril de 2013

Cura


Sabe, vou lhe contar um segredo... tantas vezes e tantas vezes, a única coisa que pode nos salvar de nossa própria solidão é a solidão do outro. É aquilo capaz de clarear quarteirões inteirinhos: o amor.

sábado, 30 de março de 2013

Engoliu um Saco de Borboletas e foi por aí


Vivia em um constante paradoxo e por isso nunca soube se dá para modificar o que já é por si. Pensou que já havia passado tanto tempo e nada; descobriu as mentiras que criava e sentiu medo. Medo do tempo, do próprio embate, medo do medo, da coragem... Talvez haja como decompor aquilo que já se materializou, porém, quiçá ela não quisesse tentar. E por tudo isso, mentia sem se dar conta. Sempre criou disparates para salvar sua triste alma daquilo que nunca teve por perto: a coerência.

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Há 01 ano (bissexto) atrás


Por volta e meia aprendemos mais e mais uma vez que se perde muito ao deixar de fazer uma porção de coisas, ou que não há nada que possamos ganhar fazendo outras coisas que nunca na vida deveriam ter sido pensadas. Todo o mundo já está cansado de saber, mas ainda vive se esquecendo de que, se tudo isso não é percebido no momento em que está acontecendo, a gente nunca mais consegue consertar... e é aí então que se descobre que queria não deveria ter mandado a carta, que queria ter ido em tal lugar que tanto chamaram, que não deveria ter atendido a ligação e também que queria ter dito todos aqueles sonhos aparentemente desconexos - mas que poderiam fazer sentido para mais alguém que não fosse a gente mesmo. Mas veja bem: de tudo, tudo isso, o que eu mais aprendi é não deixar que você se tornasse uma dessas sombras escuras que nos perseguem, que eu só percebo algum tempo depois e fico toda arrependida choramingando por dentro (como faço sempre). Por isso eu não preferi ter ido dormir naquele sábado como antes eu faria. Pela primeira vez na vida eu posso lembrar daquele dia e me alegar ao saber que não deixei o momento passar. Naquele dia eu não deixei (você) passar...

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

_E agora? O que tu vai fazer?


(E agora? Depois de mais de 20 folhas do calendário você vem e diz apenas: "E agora?". Tenha dó, Josué. Diante de todas as possibilidade que poderiam existir no mundo, agora eu escolheria uma que faria eu nunca ter te vivido, ou outra que me fizesse deletar essa sombra escura que foi aquele tempo em que eu te quis perto de mim. Acho que estou no direito de te deixar bem pequenininho na cabeça e no coração, não porque ainda me importo, mas é que você sabe o que eu faria e fiz: sempre fico tanto tempo aos trancos, falando, falando, falando, para poder me livrar de cada resquício que sobrou de ti nos tijolos da minha casa... E é isso que vou fazer de agora em diante, até o dia em que eu me livre de todos os traumas do quanto você me fez pensar que não sirvo para amar alguém. Porque, com você, foi isso que aprendi).

_ Ah, eu não sei...

sexta-feira, 4 de janeiro de 2013

5 anos de Psicologia


Fiz essa opção para poder alcançar o mal-dito e o não-dito-nunca. Fiz, para conseguir proteger aquele que pensa que a vida acabou antes mesmo de ela chegar ao fim – quiçá eu mesma. Ou para salvar quem nem sabe que existe vida...

« »