sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

A reparação que espero de alguém


Seu objeto de transição
era o Raul,
mas teu irmão quebrou –
fez crescer esse teu vazio
(que tento sanar).
Seu sonho edipiano
era um dia de sol
sem a cerca que separa quintais.
Então eu quis ser sua cura...
Eu,
as cores de Frida
e o Soneto de Fidelidade.
Eu deixaria você ser
uma das mulheres de Vinícius
(a última)
para que o Soneto de Separação
nunca fosse escrito.
Eu consertaria o disco
quebrado
e o teu espaço
vago.
Seríamos somente nós três
no sonho do teu anseio,
[meu]
dos dias que te dão medo.
Eu, você e o Raul.
(Pois as cores desbotariam
e o Vinícius teria morrido de amores
por ti).

0 Comentários:

Postar um comentário

« »