sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Um par pra te dizer


Tenho dessa de construir barreiras de palavras e improvisar no tempo, no entanto e de repente, eu só queria te dizer que.
Menos de uma semana, num piscar e já foi. Daí por diante sou somente eu e meus pensamentos de embolar no teu travesseiro todos esses questionamentos atazanados que insistem em me perseguir. Que aprontam com tudo. A vida não gira e eu tento todos os dias.
Confessar é algo que não me cabe mais. A vida não gira pro tempo em que aquelas palavras já não sejam mais tão velhas. Mas não confesso. E se não é possível amar sem essa velhice toda, eu a fiz, faço e faria, só para te dizer que.
Questionamentos que perseguem... assim que eu sentir o gosto dos teus cigarros embolados no travesseiro, esse par que tenho vai ganhar sentido. E fim. E ponto. Sem literatura, gira: parte de mim esquecida quando tu estiver sobre mim. Deixa-me errar um pouco? É que já basta eu ter dessa, mas engolir ser sem ti, é demais.
E tudo o que eu queria agora, é esse sentido para essas coisas todas. Mas posso trocá-lo pelo último livro da última fileira, com uma história pra viver antes de contar. Só não confesso, pois não me cabe mais. Sem muro, sem horário, sem? E eu só queria te dizer.
Vou já pensar nessas coisas todas, pois, no mundo, é o que mais sei fazer. Fiz, faço, faria, em menos de uma semana. Tu entende que? Venha se deitar sobre mim para que eu esqueça qualquer parte. Já foi e eu te amo antes dessas coisas todas que, antes de ontem, eu amava muito mais. Num piscar; dessa de construir e improvisar. Amanhã tento de novo.

0 Comentários:

Postar um comentário

« »