sexta-feira, 30 de abril de 2010

Despertando



E é assim que eu estava seguindo. Sonhando-te com o escuro e precisando de vinte segundos para entender que nada nunca foi de verdade verdadeira. Perdendo-me de mim. Sonhando-te em meio à escuridão, demorei a compreender que o clarinho estava vindo justamente para que meus olhos pudessem enxergar, para que eu pudesse me encontrar. Não quero mais prestar atenção nessa canção enquanto ela for de mentirinha. Não mais. Quero continuar a compreender para encontrar-me seja lá como for. E quando eu conseguir, aí por diante, eu vou ser tão, mais tão feliz que nunca mais vou sentir tristeza por ter sido atendida ao gostar de você como eu sempre quis gostar de alguém. Vou viver como quem se encontra e não quer se perder nunca mais.

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Adormecendo



Depois dos tantos sonhos que passam a acontecer em meio à escuridão. Depois disso, digo, quando venho a despertar logo penso que isso de antes foi de verdade. Por vinte segundos. Até o sol bater pela janela do quarto e bater pela janela dos meus olhos desmentindo os sonhos e a escuridão. Aí então ensaio adormecer no clarinho mesmo, como quando fecho os olhos antes de dormir e presto atenção na canção que o escuro traz, somente para te sonhar. Eu só queria vinte segundos... eu só...

« »